Passageiros são presos pela PF por tráfico internacional de drogas no aeroporto

Imagem: Divulgação/PF

A Polícia Federal prendeu, em ação conjunta com a Receita Federal entre os dias 16 e 17 de outubro, quatro passageiros de voos internacionais com drogas no Aeroporto Internacional de Guarulhos.

 Na primeira ação, realizada por servidores da Receita Federal que atuam junto aos canais de inspeção, uma brasileira, que desembarcou de voo procedente do México, foi selecionada e teve suas bagagens submetidas à fiscalização indireta, por meio do raio-x, momento em que ficou identificada substância oculta nas estruturas de sua mala. Ao se desmontar a mala, foram encontrados pacotes contendo substância cristalizada. Conduzida à PF, ela foi presa após os exames resultarem positivo para metanfetamina, cujo volume somou mais de 4 Kg. A suspeita disse, em seu depoimento, que já havia sido presa por tráfico de drogas em Portugal, quando transportava mais de 1 Kg de cocaína para aquele país.

Momentos após esta prisão, policiais federais, que atuam no controle migratório, prenderam uma mulher, nacional de Portugal, com mais de 2 Kg de cocaína ocultos no corpo. Ela pretendia embarcar para Lisboa, em Portugal, em voo cujo destino final era Londres, na Inglaterra. Já na fila do check-in de voo para Addis Ababa, na Etiópia, outra equipe de policiais, ao revistar um passageiro, nacional da Nigéria, que possui Registro Nacional de Estrangeiro (RNE), encontrou mais de 3 Kg de cocaína ocultos numa espécie de colete vestido pelo homem. O suspeito já havia sido preso anteriormente, neste aeroporto, pelo mesmo crime.

No domingo (17), servidores da Receita Federal, que atuam com o auxílio de cães farejadores, selecionaram uma mala despachada por passageiro que iria para Addis Ababa, na Etiópia, em razão da indicação do animal, e acionaram a PF. Localizado junto ao portão de embarque, o passageiro, nacional da Nigéria, possuidor de RNE, foi conduzido à delegacia e preso após os policiais encontrarem quase 7 Kg de cocaína ocultos dentro de embalagens de bombons.

Os presos serão apresentados à Justiça Federal onde responderão pelo crime de tráfico internacional de drogas.