Poá e Suzano reajustam passagens de ônibus de R$ 4,40 para R$ 5

Os municípios de Poá e Suzano são os primeiros da região do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) a concederam o reajuste no valor da tarifa do transporte público rodoviário. Nesta última semana as negociações das administrações diretamente com as concessionárias do serviço nas cidades avançaram e, nestes municípios, o novo valor da passagem é de R$ 5 a partir deste domingo (14).

No caso de Suzano, inicialmente, o pedido de reajuste por parte da Radial Transporte era de 100% do valor atual, de R$ 4,50, o que elevaria a tarifa para R$ 9. No entanto, o prefeito Rodrigo Ashiuchi descartou o pedido, considerando “abusivo” o aumento sugerido e que, em sua análise, a proposta não acompanha a realidade financeira do cidadão que depende do transporte público para se locomover, trabalhar e estudar. 

Em nova proposta encaminhada nesta semana à prefeitura, a empresa solicitou outro reajuste, desta vez para R$ 6. Mais uma vez houve a recusa e, após reuniões realizadas entre representantes da administração municipal, incluindo a Secretaria de Transportes e Mobilidade Urbana, e da concessionária, chegou-se a um consenso para R$ 5. 

Segundo a empresa, o reajuste deve-se, principalmente, ao aumento dos preços dos combustíveis e à projeção de novas altas para os próximos meses, somado à queda no volume de passageiros em decorrência da pandemia do novo coronavírus (covid-19), que, na cidade, caiu de 38 mil passageiros transportados por dia para 23 mil – o que representa uma diminuição de cerca de 40% de usuários. 

Além disso, a concessionária afirmou que Suzano não realiza o reajuste há 33 meses (dois anos e nove meses), mesmo com a elevação do preço do diesel. Em 2018, por exemplo, o custo do litro do combustível era de R$ 4,26; neste ano, já chegou a R$ 6,36. 

Outros argumentos apresentados foram o reajuste salarial dos funcionários, a inflação e os aumentos em outros itens que fazem parte da estrutura operacional do serviço prestado, além do Índice de Preços ao Consumidor (IPC). 

Para o secretário municipal de Transportes e Mobilidade Urbana, Claudinei Valdemar Galo, a manutenção anual de custos da empresa, sem o aumento da passagem, tem gerado um cenário insustentável para a concessionária, inclusive colocando em risco a operação do transporte. 

De acordo com o prefeito, a nova proposta foi aceita devido ao tempo de quase três anos sem reajuste e às contrapartidas que estão sendo garantidas, como a renovação da frota de ônibus, a criação de dois aplicativos para melhor atender o usuário, a revitalização do Terminal Vereador Diniz José Dos Santos Faria e a construção de um novo terminal no distrito de Palmeiras. 

“Em contrapartida ao reajuste da tarifa, a empresa vai construir um terminal de ônibus no distrito de Palmeiras, região sul de Suzano, e vai revitalizar o terminal norte. Ainda está em andamento a modernização dos trabalhos oferecidos, como a nova frota e os aplicativos, o que deve garantir mais qualidade no atendimento. Prezo e luto por um serviço de excelência à população”, concluiu o chefe do Executivo. 

Nas demais cidades do Condemat, as negociações continuam com as concessionárias e o reajuste nas tarifas é tido como inevitável pela maioria entre o final deste ano e a virada para 2022. Em Guarulhos, ainda não há nada definido em relação às tarifas que seguem congeladas desde o início de 2019. 

A exemplo de Suzano e Poá, os estudos nas cidades avançam para não ultrapassar o teto de R$ 5 na tarifa. O valor é bem inferior ao pleiteado pelas concessionárias, que chegaram a solicitar a passagem a R$ 9. “Em muitas cidades as tarifas estão há mais de dois anos sem reajuste e temos todo esse impacto do aumento no preço dos combustíveis, o que tem comprometido a prestação dos serviços pelas concessionárias. Os prefeitos entendem isso, mas buscam uma alternativa equilibrada e justa para empresas e usuários”, ressaltou o secretário executivo do Condemat, Adriano Leite.

Imagem: Reprodução/TV Diário