Os quatro presídios de Guarulhos não foram contemplados com o convênio entre a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) e o Tribunal Regional Federal da Terceira Região (TRF) para disponibilização de postos de trabalho na comunidade aos presos.

Segundo o HOJE apurou, as penitenciárias que receberam o projeto teriam que oferecer o regime semiaberto e Guarulhos não possui o sistema atualmente. Os presídios são os seguintes: CPD (centro de detenção provisória) 1 e 2; Adriano Marrey e Parada Neto. No total, eles somam 7.717 detentos, segundo dados da SAP.

O TRF montou as vagas de trabalho para as seguintes atividades: apoio na organização de processos, de materiais, de remessa de malotes, arquivos e manutenção das instalações físicas, de acordo com o perfil de cada preso.

As vagas poderão ser ampliadas de acordo com a solicitação do governo no decorrer do contrato, com validade de cinco anos. Em fevereiro, foi firmado convênio similar com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de São Paulo para disponibilização de postos de trabalho em todos os cartórios eleitorais onde a SAP possui Centrais de Penas e Medidas Alternativas (CPMAs).

Os postos de trabalho serão criados nas cidades de Avaré, Adamantina, Américo Brasiliense, Araraquara, Araçatuba, Assis, Atibaia, Barretos, Bauru, Birigui, Botucatu, Bragança Paulista, Campinas, Cândido Mota, Capivari, Caraguatatuba, Carapicuíba, Catanduva, Chavantes, São Bernardo do Campo, São Carlos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, São Simão, São Vicente, Sorocaba, Sumaré, Taquaritinga, Tatuí, e Votuporanga, entre outros.

Os prestadores estão realizando tarefas de manutenção dos cartórios, em atividades de eletricista, encanador, pedreiro, pintor, marceneiro, jardineiro, faxineiro, carregador e cartazeiro.

Reportagem: Leticia Lopes

Foto: Ivanildo Porto

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here