Água do Aeroporto de Guarulhos pode estar contaminada e ter feito 40 vítimas

A água do maior aeroporto da América Latina pode estar contaminada. Segundo o HOJE apurou, ao menos 40 pessoas teriam passado mal após consumir o líquido no GRU Airport – Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica. Os relatos apontam sintomas como náuseas, diarreia, vômitos, mal-estar e dores no corpo.

O primeiro caso foi registrado no dia 5 de outubro. Desde então, em média, oito pessoas por dia deram entrada no posto médico do aeroporto. Segundo a Concessionária do Aeroporto Internacional de Guarulhos S.A, que administra o aeroporto, esse número representa menos de 0,02% da população flutuante do aeroporto, de 250 mil pessoas por dia. Nos últimos dois dias, nenhum caso foi registrado.
Já foram coletadas diversas amostras de água em diferentes pontos do aeroporto e, até o momento, todas estavam dentro dos padrões de potabilidade exigidos pelo Ministério da Saúde. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tem fiscalizado as ações de coleta de amostras e limpeza dos pontos de abastecimento de água potável.

Em nota, a concessionária afirmou que está atuando para detectar as causas dos recentes casos de problemas gastrointestinais registrados no sítio aeroportuário. Independentemente desse caso pontual, o aeroporto adota procedimentos preventivos e faz a análise periódica da água que abastece o aeroporto, cumprindo as normas estabelecidas pelo Ministério da Saúde.

Já o Serviço Autônomo de Água e Esgotos (Saae) de Guarulhos informou que não compete a autarquia atuar nas áreas internas do aeroporto. Além disso, o Saae ressaltou que para garantir a qualidade do produto oferecido pelo Saae, toda água produzida e distribuída em Guarulhos é monitorada periodicamente, conforme normas específicas e determinações da atual legislação.
A autarquia municipal realiza análises físico-químicas e microbiológicas exigidas pela atual legislação; as coletas de amostras de água para análise são feitas no sistema público de abastecimento.

Foto: Ivanildo Porto