Cidade registra 1,2 mil casos de dengue

Com a chegada mais cedo do calor e do período de chuvas, os guarulhenses começam a ficar em alerta para diminuir o risco de uma nova epidemia de dengue como aconteceu no ano passado. Segundo dados da Secretaria da Saúde, até o momento já foram registrados 1.206 casos da doença no município.
O período epidêmico é entre fevereiro e maio, mas o medo de uma nova epidemia já faz com que a população adote algumas medidas de segurança. A aposentada Maria Jácome de Santana, 61, tenta evitar o problema que enfrentou no ano passado quando ela, a filha e os três netos contraíram a dengue. “Se cada um fizer a sua parte não viveremos o caos do ano passado e poderemos ter um início de ano mais tranquilo”, afirmou.

No ano passado Guarulhos contabilizou 25. 785 casos confirmados. Em todo o estado, de acordo com a Secretaria Estadual da Saúde, foram registrados 154.180 casos confirmados de dengue e 77 mortes, até agosto deste ano.
“Falta muita conscientização da própria população. Sabemos que não precisa de muito para que o mosquito procrie e cause os transtornos vividos em 2015, mas ainda vejo muita gente que não se cuida. Há muito lixo acumulado em todo lugar, principalmente com pneus. Fica difícil fazer alguma coisa sozinho”, afirmou o autônomo Jonathan da Silva, 35.

Além da dengue, o mosquito Aedes aegypti transmite ainda as doenças chikungunya e Zika vírus, responsável pelos casos de recém-nascidos com microcefalia. Segundo a Saúde do município, foram confirmados até agora 76 casos de chikungunya na cidade, dos quais 72 são importados (de pessoas que contraíram a doença fora do município) e quatro são autóctones.
Neste ano houve, ainda, a confirmação laboratorial de um caso importado de Zika vírus de um militar morador de Guarulhos, que contraiu o vírus no Rio de Janeiro e evoluiu favoravelmente, não apresentando nenhum problema ou complicações, além de outros três casos autóctones confirmados laboratorialmente, que também evoluíram favoravelmente.

H1N1 – De acordo com balanço divulgado pela secretaria, dos 536 casos registrados esse ano na cidade de Síndrome Respiratória Aguda Grave, 109 deles tiveram confirmação de exame positivo para A/H1N1. Foram 21 óbitos de pessoas residentes em Guarulhos com diagnóstico da doença, sendo 11 em hospitais particulares da capital e de Guarulhos, e 10 em hospitais públicos. Vale destacar que desse total, 12 tiveram seu quadro clínico agravado, evoluindo para óbito, por conta de outras doenças crônicas, como bronquite asmática, doenças cardiovasculares, diabetes, diabetes associada a linfoma e pneumopatia crônica, pneumonia e choque séptico.

Reportagem: Rosana Ibanez
Foto: Ivanildo Porto