GCM amarga baixo efetivo e poucas viaturas

A Segurança Pública é uma das áreas que demandará muito investimento da próxima gestão. Isso porque a Guarda Civil Municipal (GCM) ao longo dos últimos anos vem amargando um baixo efeito de guardas e um número muito pequeno de viaturas.

No total a frota da corporação é composta por 97 viaturas. No entanto, segundo o secretário de Segurança Pública, Luiz Carlos Barreto, 21 estão paradas. Ainda assim, neste mês a prefeitura entregou 18 viaturas à GCM sendo 16 delas alugadas pela administração municipal.

No ano passado, a corporação chegou a perder 55 veículos devido a falta do pagamento do aluguel. Na ocasião, a empresa teria bloqueado via satélite todas as viaturas. A pasta investiu R$ 2 milhões com o aluguel dos veículos, um custo total de R$ 176 mil por mês. Ainda assim foram mais de quatro meses sem que a prefeitura pagasse pelas locações.

Além disso, a corporação conta com apenas 1.147 profissionais, sendo 793 GCMs, 145 destinados a segurança patrimonial, 122 atuando em departamentos administrativos e 87 cedidos a unidades policiais. “Chegamos a quase 900 guardas, mas ao longo do tempo fomos perdendo. Há mais de cinco anos não entra mais guardas. Há uma deficiência de efetivo pela questão financeira já que todos os anos nós pedimos ao governo a contratação de novos guardas”, afirmou Barreto que ressaltou que além do baixo efetivo há 10 anos não há promoções para a corporação. “Nosso plano de carreira está parado”, revelou.

Os problemas enfrentados pela corporação nos últimos anos foram vários. Em 2014, um grupo de guardas civis chegou a afirmar que trabalhavam em situação precária inclusive sem uniformes, tendo que dividir coletes a prova de balas.