Com redução do preço do diesel, vereador pede revisão da tarifa do transporte público

Assunto:Terminal de Onibus São João Local:São João Data:20.03.2012 Foto:Sidnei Barros/PMG

Em função da redução do preço do óleo diesel anunciada pelo Governo Federal para os próximos dias, o vereador Eduardo Barreto (PCdoB) sugere ao prefeito Guti (PSB) a revisão do valor praticado atualmente das tarifas do transporte público. Atualmente, a tarifa possui dois valores: R$ 4,30 para passageiros com bilhete único e R$ 4,70 para pagamento em dinheiro.

“Quero fazer um pedido ao prefeito Guti. Já que houve a diminuição [do preço] do óleo diesel pelos postos de todo Brasil, e sabemos que as empresas usam como argumento o aumento do óleo diesel para aumentar as tarifas dos ônibus municipais, poderia ser discutido o preço da tarifa de ônibus”, declarou o vereador Eduardo Barreto.

De acordo com o parlamentar, o momento é pertinente para que o chefe do Poder Executivo possa rediscutir a cobrança do transporte público junto aos empresários das empresas de ônibus que operam no sistema. Em virtude do protesto dos caminhoneiros, que solicitavam a redução do preço do diesel, o Governo Federal atendeu a demanda e reduziu o valor do insumo em R$ 0,46 por litro na refinaria.

“Quero pedir para o prefeito Guti sentar com os proprietários destas empresas de ônibus da cidade e que possa discutir uma diminuição da tarifa, já que o preço do óleo diesel é colocado na discussão da política de preços adotados pelas empresas”, sugeriu.

Por fim, Barreto entende que a política adotada pela União pode ser incorporada aos serviços que utilizam como base para suas respectivas cobrança a variação do valor de mercado do referido insumo. Ele também ressalta que esta medida pode diminuir os impactos nas contas de trabalhadores e estudantes.

“Estamos em um momento de crise no nosso País e a cidade de Guarulhos pelo tamanho que tem sofre os impactos desta crise dessa greve que está sendo feita pelos caminhoneiros. Sabemos que qualquer diminuição impacta diretamente no dia a dia dos trabalhadores e dos estudantes”, concluiu.

Antônio Boaventura

[email protected]