Planejamento para habitação depende da definição do processo eleitoral

Com um déficit habitacional de quase 100 mil moradias, a prefeitura aguarda a definição do processo eleitoral, que elege neste pleito deputados estaduais e federais, além de governadores e o presidente da República, para concluir o planejamento de habitação para o próximo ano. Nos últimos 20 meses, o governo guarulhense contou com o apoio dos governos estadual e federal para sanar este problema na área.

“Tendo o incentivo nós já vamos deixar o projeto pronto e o chamamento público das áreas de Guarulhos Se o programa acabar, coisa que não acredito, vamos partir para o social e outros programas. Só em Guarulhos temos um déficit de 100 mil moradias”, declarou Fernando Evans, secretário de Habitação.

Com as eleições em outubro próximo, Evans ressalta que o programa federal de habitação Minha Casa Minha Vida, em especial, serve para fomentar e aquecer o mercado da construção civil e proporcionar novas oportunidades de trabalho. Ele destaca que após a definição do pleito eleitoral, a prefeitura irá preparar os projetos necessários para apresentar ao governo federal no início de 2019.

“A partir de março nós vamos ter um panorama de como será o programa minha casa minha vida. Acredito que independente de quem assuma o governo federal ele vai fomentar a construção civil. E nada melhor do que o minha casa minha vida e provavelmente terá o incentivo”, explicou.

De acordo com o secretário, é necessário trabalhar propostas para que possa fazer a regularização fundiária na cidade. Evans também entende que a prevenção em relação a invasões de novas áreas está inclusa nesta proposta de reorganização e legalização da ocupação do solo.

Antônio Boaventura

[email protected]