Vinda da Sabesp trouxe economia e colocou um fim ao rodízio de água

A concessão dos serviços prestados pelo Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) à Sabesp, em contrato assinado com o Governo do Estado no final de 2018, foi outra demonstração da eficiência administrativa empregada por Guti.

“Não fazia sentido a gente ter uma empresa na cidade, sem capacidade de investimentos devido ao alto grau de endividamento que herdamos, penalizando a população, já que 90% dos munícipes sofriam com o rodízio de água”. O prefeito se refere à dívida de R$ 3,2 bilhões da autarquia com a empresa estadual, devido ao não pagamento da água comprada da Sabesp.

“Devido a problemas de ordem política, o Saae comprava a água distribuída à população, cobrava por isso, mas não repassava à Sabesp. Isso fez com que nas duas últimas décadas a dívida chegasse a esses R$ 3,2 bilhões, que praticamente inviabilizaram o Saae”, explicou. Desta forma, conseguiu repassar primeiro os serviços de abastecimento à empresa estadual, com o compromisso – já cumprido – de acabar com o rodízio de água até o final de 2019. “Hoje todos os bairros de Guarulhos recebem água todos os dias. Isso era impensável até pouco tempo atrás”, disse. 

Guti também lembrou do novo contrato assinado no ano passado, que concede o tratamento de esgoto para a Sabesp. “Pegamos a cidade com apenas 2% do esgoto tratado. Isso é uma vergonha.  Hoje chegamos a 15% e temos o compromisso da Sabesp de fechar este ano em 40%. E em alguns anos, finalmente, Guarulhos terá 100% do esgoto tratado”. 

Uma outra medida adotada no primeiro ano de gestão, entre outras tantas que geraram economias consideráveis, foi o fim da versão impressão do Diário Oficial do Município, mantendo apenas a online, medida que eliminou um gasto anual que girava em torno de R$ 1,2 milhão por ano em média.