Cinco consórcios se interessam em projeto do Metrô até o Bosque Maia

Cinco consórcios demonstraram interesse no projeto básico da futura Linha 19-Celeste, que vai ligar Guarulhos à capital paulista. Em sua primeira fase, o ramal fará a ligação do Bosque Maia até o Anhangabaú, no centro de São Paulo.

Segundo o Metrô foram habilitados os consórcios: MNEPIE (Maubertec Tecnologia em Engenharia, Nova Engevix Engenharia e Projetos, Pólux Engenharia, Intertechne Consultores e EGT Engenharia); Linha 19 Celeste (Promon Engenharia, Copem Engenharia, Tekhnites Consultores Associados, SMZ Consultoria em Automação e Controle, JBM Arquitetura e Urbanismo, Tetraarq Arquitetura e Projetos, Themag Engenharia e Gerenciamento e Núcleo Engenharia e Instrumentação); Sener Setepla – Future ATP – EGIS (Sener Setepla Tecnometal Engenharia e Sistemas, Future ATP Serviços de Engenharia Consultiva e EGIS Engenharia e Consultoria); Systra EBEI Fernandes (Systra Engenharia e Consultoria, Empresa Brasileira de Engenharia e Infraestrutura e Fernandes Arquitetos Associados); e Linha Celeste (SETEC Hidrobrasileira Obras e Projetos, Quanta Consultoria, Controltec Gerenciamento de Obras, Reconvert Planejamento e Projetos e SMC Serviços Metroviários).

A partir de agora as propostas serão analisadas pelo Metrô.

O governo estadual prevê entregar primeiro o trecho Pari – Jardim Julieta no ano de 2028. Já a previsão de entrega do Trecho Anhangabaú – Bosque Maia é para 2029. A demanda estimada para a operação comercial do trecho Anhangabaú – Bosque Maia – Guarulhos é de 580.470 passageiros por dia útil, para o cenário de 2029.