Coluna 35

Double head

Duas cabeças pensam melhor do que uma. Essa sábia máxima popular poderia resolver a dificuldade de entendimento de alguns vereadores sobre a importância de uma segunda opinião sobre os destinos da Proguaru. Embora o Executivo tenha contratado a FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) por R$ 1,9 milhões para oferecer uma análise da atual situação da empresa e das possibilidades de sua recuperação, tanto o presidente da Casa, Miguel Martello (PDT) quanto o da comissão, Edimilson Souza (PT), julgaram importante contratar, pela Câmara, outra entidade capaz de oferecer informações sobre o mesmo tema. Mas, muito estranhamente, já há um grupo de vereadores se movimentando contra essa ideia. O que poderia ser ruim em se ter uma segunda opinião?

Pró quem?

A Comissão Especial de Estudos da Câmara (CEE), que trata sobre a Proguaru, tem novo membro, o vereador Geraldo Celestino (PSC) que substituiu seu colega de partido, Pastor Anistaldo, que declinou do cargo. O que estaria por trás dessa troca?

Meau!

O vereador Edimilson Souza (P)T), apresentou requerimento de informações ao DEPAN (Departamento de Proteção Animal), chefiado por Andrea Viegart. Será interessante acompanhar as respostas do departamento. Afinal, como se manifestou a vereadora Carol Ribeiro (PSDB), até mesmo este colunista gostaria de saber como funciona agenda de castrações que abre às 9:00 horas das sextas-feiras e já não tem vagas minutos depois. Em tempo, seria de bom tom melhorar a comunicação do DPAN que anuncia, pelas redes sociais, “castrações grátis”. De grátis não tem nada, pois todos que lá trabalham para oferecer esse serviço recebem salários pagos pelos contribuintes.

Maus pagadores

O presidente da Câmara, vereador Fausto Miguel Martello, quer por que quer saber quem são os grandes devedores de IPTU e ISS do município. Seu requerimento fez bastante sucesso não apenas entre seus pares, mas também entre aqueles contribuintes que pagam tudo em dia e aqueles que, por atrasarem pagamentos, são cobrados com muito mais rigor e diligência pela Administração Pública.

Vereador Cazuza   

Tá certo que o Legislativo, parodiando Cazuza, é sempre um “museu de grandes novidades”. E nessa linha, o vereador Jorginho Mota (PTC) ficou uma fera com seu colega Edmilson Souza, ao ser chamado de vereador coveiro, aquele que só quer desenterrar o passado. Mota, através de requerimento, quer saber, entre outras coisas, como a gestão Almeida/Prof. Moacir (Educação) gastou R$ 28 milhões numa creche nos Pimentas que ainda não está pronta. Na defesa, Edmilson pediu a Mota que se atentasse também aos gastos mais recentes do município, pra não viver do passado.