Aeroporto de Guarulhos é campeão em atrasos e cancelamentos

• 1 em cada 13 passageiros tiveram voos atrasados ou cancelados no primeiro semestre

• 170.300 passageiros afetados têm direito a pleitear indenização

• Aeroporto de Guarulhos é campeão em atrasos e cancelamentos

• Rota Recife-Guarulhos é a que registra maior número de passageiros afetados por atrasos e cancelamentos

Estudo da AirHelp, líder mundial em direitos de passageiros de companhias aéreas, mostra que 1.235.900 consumidores foram afetados por atrasos e cancelamentos de voos nos aeroportos brasileiros no primeiro semestre deste ano. O número indica que um em cada 13 passageiros sofreu com problemas de cumprimento de horário de voos nos aeroportos do país.

Os cancelamentos e os atrasos superiores a 4 horas afetaram 206.900 passageiros. Os cancelamentos afetaram 191.900 passageiros. Os atrasos com mais de 4 horas impactaram 15.000 passageiros e os atrasos inferiores a 4 horas atingiram 1.167.373 consumidores.

De acordo com o levantamento da AirHelp, do total de passageiros afetados, 170.300 teriam direito à indenização pelos transtornos com atrasos e cancelamentos. Este estrato se concentra prioritariamente nos voos que tiveram atrasos superiores a 4 horas ou que sofreram cancelamentos não decorrentes de mau tempo e outras ocorrências justificáveis.

Aeroportos

O Aeroporto Internacional de Guarulhos foi o campeão de atrasos de cancelamentos no primeiro semestre deste ano. Dos 32.800 voos registrados no aeroporto neste período, 2.650 sofreram atrasos e cancelamentos, o que afetou um em cada 11 dos 3,3 milhões de passageiros que utilizaram os serviços do aeroporto. No total, 278.700 passageiros sofreram com atrasos e cancelamentos no maior aeroporto do país e 28.300 teriam direito a indenização pelas ocorrências.

O aeroporto internacional de Viracopos, em Campinas, foi o segundo colocado em atrasos e cancelamentos. Um em cada nove dos 19.900 voos programados no aeroporto sofreram com atrasos e cancelamentos, o que afetou 110.900 passageiros, o que equivale a 1 em cada oito usuários no período analisado. Dos passageiros que passaram por Viracopos no primeiro semestre, 10.300 teriam direito à indenização por atrasos e cancelamentos.

O terceiro colocado foi o aeroporto internacional do Recife, que registrou 1 atraso ou cancelamento a cada nove partidas programadas no primeiro semestre, o que afetou um em cada nove de 1.000.700 passageiros atendidos no período. 8240 passageiros que passaram pelo aeroporto são elegíveis a indenização por atrasos e cancelamentos em suas partidas.

Rotas mais afetadas

A rota com mais passageiros afetados foi a que liga o aeroporto Internacional do Recife e o Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. Dos 207.200 passageiros que usaram esta rota no primeiro semestre, 21.300 foram afetados por atrasos e cancelamentos, ou seja, quase um em cada 10 passageiros.

A segunda rota mais problemática foi a São Paulo-Recife, partindo do aeroporto Internacional de Guarulhos. 207.810 passageiros fizeram este trajeto e 16.281 foram afetados por atrasos e cancelamentos, o que representa um em cada 13 passageiros.

A terceira rota com mais passageiros afetados foi a que liga o aeroporto de Viracopos, em Campinas, ao aeroporto Internacional de Manaus. De um total de 54.000 passageiros que usaram este trecho, 14.700 enfrentaram atrasos e cancelamentos, quase um em cada 4 passageiros.

Compensação aos passageiros

De acordo com o levantamento da AirHelp, 170.300 passageiros seriam elegíveis para pleitear junto às companhias aéreas compensação por atrasos e cancelamentos ocorridos nos aeroportos brasileiros no primeiro semestre deste ano.

Para reivindicar uma indenização, os passageiros devem estar cientes de certas condições. A primeira é verificar se o atraso ou cancelamento realmente causou sofrimento, estresse ou prejuízo ao usuário. Eventos como a perda de uma consulta médica importante, o cancelamento de um contrato, uma demissão, a ausência em um evento de grande significado emocional, são situações que podem dar origem a um pedido de compensação perante a companhia aérea. Se o passageiro vivenciou os chamados “danos morais” e puder comprová-los, os passageiros têm boas chances de obter uma indenização financeira de até R? 5.000,00 por indivíduo.

Os passageiros têm maiores chances de obter compensação financeira se a companhia aérea for diretamente responsável pela interrupção do voo, devido a problemas técnicos ou por falta de tripulantes, por exemplo. A interrupção do serviço devido a condições meteorológicas extremas pode ser usada como justificativa e aceita pelos tribunais, por estar fora do controle da companhia aérea. Porém, nessa situação, os passageiros ainda têm direito a atendimento e informação.

Legislação

Quem voa no Brasil está protegido pelo Código de Defesa do Consumidor e pela legislação da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), que são os instrumentos legais mais relevantes para o passageiro. Essas leis definem claramente as responsabilidades das companhias aéreas para com seus passageiros sempre que houver problemas de voo.

A legislação brasileira abrange voos domésticos dentro do Brasil, voos internacionais que partem ou chegam em aeroportos brasileiros, bem como voos que fazem conexão através de um aeroporto brasileiro.

A legislação brasileira protege os passageiros, desde que seus voos atendam aos quatro critérios a seguir:

? O voo pousou ou decolou em um aeroporto brasileiro

? O voo foi cancelado com aviso tardio, o voo estava com mais de 4 horas de atraso ou o voo estava com overbooking

? Os passageiros não foram atendidos adequadamente pela companhia aérea

? O problema ocorreu nos últimos 5 anos (2 anos para voos internacionais)

Com base na experiência anterior da AirHelp, os passageiros podem esperar receber até R? 5.000,00 em compensação por atrasos ou voos cancelados. Para mais informações, visite https://www.airhelp.com/pt-br/

Sobre AirHelp

AirHelp é a maior empresa mundial especializada em direitos de passageiros aéreos, ajudando os viajantes a obter indenização por voos atrasados ??ou cancelados e em casos de recusa de embarque. A empresa também toma medidas legais e políticas para apoiar o crescimento e a aplicação dos direitos dos passageiros aéreos em todo o mundo. AirHelp já ajudou mais de 16 milhões de pessoas, está disponível em todo o mundo e oferece suporte em 16 idiomas.

Metodologia

Todos os dados constantes do levantamento da AirHelp estão baseados em voos programados nos aeroportos brasileiros entre janeiro e junho de 2021, constantes no banco de dados global de voos global da AirHelp. Para garantir dados precisos, a AirHelp usa uma variedade de fontes e as combina em um banco de dados global.