Desemprego ameaça quase 3 mil frentistas na cidade de Guarulhos

Foto: Marcello Casal

Em Guarulhos são 2.890 frentistas e nas outras 22 cidades da região que compõem a base do Sinpospetro (Sindicato dos Frentistas), 6.900. Ou seja, são 9.790 profissionais de 619 postos de combustíveis – 176 em Guarulhos – que estão sob o risco iminente de desemprego caso a emenda 18, do deputado federal Kim Kataguiri (DEM) à lei número 9.956, sancionada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC), em 2000, que proíbe o sistema self-service no abastecimento, seja aprovada pela Câmara dos Deputados.

A emenda deverá ser votada em plenário no dia 10 de outubro e alega, de maneira em geral, que, com as demissões dos frentistas e com o próprio usuário abastecendo seu veículo, os preços dos combustíveis vão cair. “Essa alegação é uma grande piada, desrespeito com os frentistas e motivo de muita preocupação para toda a população”, reagiu a presidente do Sinpospetro-Guarulhos, Telma Cardia.

“A emenda 18 é uma coisa injusta e desleal em um momento tão delicado que o trabalhador está vivendo. Ela representa a demissão de quase 500 mil frentistas em todo o país. São 21 anos que vivemos sob este ‘fantasma’ que retornou em forma de emenda. Agora estamos tentando sensibilizar a população, deputados, senadores, governadores, prefeitos e vereadores e todo o país pedindo a retirada desta emenda”, explicou a presidente. “Querem tirar o emprego do trabalhador e isso é grave”.

Esta semana uma carta aberta aos frentistas e à população de Guarulhos e da capital paulista será distribuída mostrando, não só a questão do desemprego, mas os riscos da população, que ficará mais vulnerável caso o sistema self-service nos postos de gasolina seja implantado no país. “Os pequenos postos vão fechar. O que está por trás da emenda são as grandes companhias que formarão um nicho. Além do mais, não é o trabalhador que encarece os combustíveis, mas a carga de impostos abusivos praticada no país. E o usuário corre sério risco de vida ao abastecer sozinho o seu veículo”, alertou Telma.

A campanha pró-empregos no setor é coordenada pela Federação Nacional (Fenepospetro “Já estamos mobilizando as bases. Vamos entregar carta aberta aos usuários nos postos e também falar com deputados em todo o país”, observou o presidente da entidade, Eusébio Luís Pinto.

População corre risco de roubos e acidentes fatais com o self-service

A presidente do Sindicato dos Frentistas de Guarulhos, Telma Cardia, aborda questões de segurança para a população, caso a emenda do deputado Kim Kataguiri (DEM) seja aprovada. “Primeiro é bom lembrar que no subsolo de cada posto de gasolina, em Guarulhos temos 176 em funcionamento, existem 150 mil litros de gasolina e cada um dos seus frentistas são treinados para lidar com esse volume, todos têm o curso NR20 e estão preparados para qualquer tipo de emergência”, observou.

Segundo ela, além dos riscos de incêndio e queimaduras que o consumidor poderá sofrer ao manusear o combustível, que é altamente tóxico, está em jogo ainda a questão da segurança do consumidor. “O risco de o assaltante agir enquanto o motorista abastece seu próprio veículo é muito alto”, disse.
Além do mais, sem o frentista, ela indaga: quem vai trocar o óleo, o limpador de para-brisas, calibrar pneus e fazer outros serviços básicos que ocorrem durante o abastecimento? Se houver algum acidente no self-service dos postos, quem vai pagar as despesas médicas? Acabaram com os cobradores de ônibus, o preço da passagem baixou?