‘Quando descobri que estava grávida, fui fazer o primeiro ultrassom e soube que a Sofia tinha síndrome de Down’, diz Danieli Hernandes

Foto: Hoje TV

A síndrome de Down é causada pela presença de três cromossomos 21 em todas ou na maior parte das células de um indivíduo, isso ocorre na hora da concepção da criança. “Quando descobri que estava grávida, fui fazer o primeiro ultrassom e na transluscência nucal (exame genético onde é analisado o acúmulo de líquido sob a pele atrás do pescoço fetal) soube que a Sofia tinha a síndrome de Down”, detalhou Danieli Hernandes, idealizadora do projeto Minha Down é UP!, no HOJE TV desta quinta-feira (10), apresentado pelo jornalista Maurício Siqueira.

“O médico me disse que na Europa, nesses casos, era indicado o aborto. Nesse momento, eu realmente não sabia nada sobre o que era síndrome de Down. Muitas pessoas também não sabem até hoje. Quando o aborto foi sugerido, claro que eu e o pai da Sofia, o Anderson, não aceitamos de forma alguma. Mas, tudo o que nós acessávamos na internet dizia coisas ruins sobre a Down, que a criança não iria aprender, teria problema no coração, nos rins, no fígado e que iria morrer”, disse.

Danieli explicou que, junto com Anderson e durante os quatro meses de gestação, aprendeu o que era a síndrome de Down. “A Sofia nasceu prematura e todos os problemas que eu passei durante a gravidez me fez querer desenvolver um trabalho para ajudar, não só as pessoas com a síndrome, mas principalmente, as suas famílias”, ressaltou ela.

As pessoas com síndrome de Down, ou trissomia do cromossomo 21, têm 47 cromossomos em suas células em vez de 46, como a maior parte da população. “Sabemos que a síndrome não é uma doença, é uma condição genética e necessita de estímulos constantes. Muitas mães hoje em dia, com a pandemia e o desemprego, não têm condição para isso. Nós temos um sistema de saúde em Guarulhos que, e em todo o país, é deficitário e também está saturado”, expôs Danieli.

Segundo ela, em 2017 começaram com a 1ª Caminhada Down em Guarulhos para informar o que é, realmente, a síndrome de Down. “Muitas pessoas acham que é uma doença. Os pais, como a condição da criança está estampada no rosto, têm vergonha e não saem muito com ela, o que acaba deixando-os muito tristes. A escola então, é um problema! Por isso começamos a fazer o evento e logo no primeiro conseguimos reunir duas mil pessoas no Bosque Maia. Foi gratificante ouvir dos pais que nunca haviam se divertido tanto em um evento. Por isso queremos continuar”, destacou ela.

O programa vai ao ar de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 9h, e pode ser acessado no Facebook (guarulhoshoje), YouTube (HOJE TV) ou pelo site www.guarulhoshoje.com.br.

- PUBLICIDADE -