Guarulhos pode perder duas mil unidades do Minha Casa, Minha Vida

Guarulhos pode perder duas mil unidades do programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV) com as mudanças no projeto anunciadas pelo minis­tro das Cidades, Bruno Araújo. De acordo com o secretário de Habita­ção, Orlando Fantazzini, as moradias são prove­nientes da migração de projetos feita do Progra­ma de Aceleração do Crescimento (PAC).

“Nós não sabemos o que vai acontecer com o direcionamento que está sendo dado de suspensão. Estamos vendo o Minha Casa, Minha Vida ser suspenso para reavaliação, mas ninguém sabe ao certo o que vai ser essa reavaliação. A sinalização não tem sido das melho­res”, afirmou Fantazzini ontem durante audiência pública sobre o projeto de Lei de Diretrizes Orçamen­tárias – LDO 2017.

No mês passado o minis­tro das Cidades revogou a autorização para contrata­ção de novas unidades do MCMV anunciada pela pre­sidente Dilma Rousseff (PT) poucos dias antes de seu afastamento pelo Senado. Segundo ele, devido a cortes feitos pelo governo anterior dias antes do afas­tamento, os recursos do programa foram reduzidos de R$ 24 bilhões para R$ 7 bilhões. Apesar do rombo de 17 bilhões, Bruno Araújo destacou que o governo interino garantirá a conti­nuidade do programa.

Ipref – A prefeitura deverá realizar o aporte de R$ 114 milhões para o Instituto de Previdência dos Funcionários Públicos Municipais de Guarulhos (Ipref) no ano que vem. No total, o Ipref terá um orça­mento de R$ 178,4 milhões mas depende dos aportes que o Executivo faz devido ao desequilíbrio entre a receita do órgão e as des­pesas. Neste ano o déficit do órgão deve chegar a R$ 184 milhões. As informa­ções foram divulgadas ontem pelo presidente do instituto, Miguel Choueri, durante audiência pública da LDO.

Reportagem: Rosana Ibanez
Foto: Ivanildo Porto