Prefeitura promete regularizar serviço de transporte ambulatorial nesta terça

Em função do atraso no repasse para as empresas que realizam o transporte de pacientes do município para unidades de saúde de diversas localidades, o transporte ambulatorial esteve prejudicado nos últimos dias. A prefeitura, por meio da Secretaria de Saúde, prometeu regularizar a respectiva prestação de serviço nesta terça-feira (8).

Além de aventar a possibilidade de retomada do serviço, a administração municipal disse que o transporte ambulatorial não será cancelado e o atendimento será normalizado nesta terça, uma vez que já foi efetuado acordo de pagamento. Em média são atendidas aproximadamente 220 pessoas por dia. Ou seja, são pouco mais de 6.500 pacientes por mês.

No mês passado, as empresas de transporte ambulatorial Vancel Transportadora Turística e a Mendes e Freitas cobraram juntas da Prefeitura de Guarulhos uma dívida de R$ 300 mil reais deixada pela gestão do ex-prefeito Sebastião Almeida. Mesmo com a cobrança, André Caraça, responsável pelas empresas, afirma que os serviços não serão interrompidos por conta do débito existente, o que não ocorreu.
“O transporte ambulatorial de Guarulhos está cancelando os pacientes que estão com consulta agendada por falta de combustível. Dizem que a prefeitura não pagou o posto de gasolina. Isso não é justo com as pessoas que precisam do transporte para ir às consultas, fisioterapia e eu tenho duas filhas especiais Katarine e Marianne, e o tratamento delas é na Santa Casa de São Paulo”, lamentou a dona de casa Maria Lessa.

Já o secretário municipal de Saúde, Sérgio Iglesias, apontou que a má administração dos serviços prestados pela gestão anterior como principal justificativa para os problemas existentes relacionados pelos repasses com atraso nos pagamentos. “A gente tem recebido estas queixas e não é que não queremos pagar. A gente tem uma dificuldade financeira enorme. Os problemas que nós temos estão relacionados aos contratos vencidos, licitações em andamento e contratos que não foram renovados na época em que deveriam”, concluiu.

Reportagem: Antônio Boaventura
[email protected]