Em 6 dias, ponto de apoio atende quase 2 mil romeiros com destino a Aparecida

Antônio Boaventura

[email protected]

Impulsionados pela fé e devoção a Nossa Senhora de Aparecida, milhares de romeiros caminham por quilômetros pela rodovia Presidente Dutra em direção à cidade de Aparecida do Norte. Em um ponto de apoio instalado nas proximidades do km 210 foram atendidos quase 2 mil peregrinos em 6 dias.

A estrutura montada conta com quase 20 pessoas, que, além do acolhimento, também colaboram com diversos serviços que possam proporcionar o bem-estar dos romeiros, entre eles o de massagem. Por lá também é possível se alimentar e descansar em uma das barracas montadas pelo grupo católico, representado por integrantes de várias comunidades do município.

“A cada ano tenho um propósito. O desse ano é pelo fato de ter conseguido quitar o meu apartamento e por outros tantos objetivos, além de levar uma galera que vai pela primeira vez. Essa é a minha sexta vez e todo ano acontece uma coisa diferente, que emociona e faz a gente vir todo ano”, explicou o representante comercial Tom Souza, 34 anos.

A expectativa é que os grupos de romeiros possam estar na cidade do Vale do Paraíba neste sábado (12), por volta das 13h. A distância entre o ponto de apoio instalado em território guarulhense até Aparecida do Norte é de aproximadamente 140 quilômetros. Idealizador da proposta, o vereador Romildo Santos (DEM) afirma que, além da emoção, as histórias das pessoas que por ali passam é a grande marca que fica.

“É muito emocionante. Já passaram por aqui muitas, mas muitas pessoas mesmo. Esta é a primeira vez que estamos fazendo e contamos com a doação de muitas pessoas. Aqui podemos oferecer lugar para o descanso, alimentação e massagens, até por que não é fácil essa caminhada. Mas, o que mais me emociona são as histórias das pessoas”, explicou Romildo.

Por lá também foi possível encontrar pessoas que estavam vivenciando essa experiência pela primeira vez e os famosos veteranos, que são movidos por um único propósito: fé e gratidão.

“Essa ida inédita se tornou um propósito. Frequento outras religiões, mas quando fui a primeira vez em Aparecida mexeu muito comigo e minha vida mudou muito. Na hora que estou no sufoco, a primeira imagem que vem na cabeça e recorro é a Aparecida. E diante disso surgiu esse propósito”, concluiu o jornalista Júnior Alves, que saiu do Jardim Tremembé, na zona norte da capital.

Foto: Ivanildo Porto