Histórias em duas rodas: morador de Guarulhos viaja o Brasil de bicicleta

Foto: Divulgação

Com o projeto intitulado como “Vou ali”, Flávio Elói dos Santos, conhecido como Flávio Costela, viaja o Brasil e o mundo em duas rodas. Aos 45 anos, ele conta que começou a percorrer longas distâncias com a sua bicicleta aos 15 anos, por um sonho de infância de conhecer o mundo pedalando.

Com a vontade de conhecer novos lugares, pessoas e culturas, Santos conta que suas viagens iniciais foram feitas para cidades do interior de São Paulo, até começar a seguir para os estados vizinhos. A primeira, em 1990, foi feita do parque Edu Chaves, na Zona Norte, até Tatuí, viagem que pode chegar até 198,7 km. “Tenho esse sonho de viajar o mundo de bicicleta desde menino, quando estudava os livros da escola. Vendo os países e estados brasileiros eu dizia ‘um dia vou para esse país ou estado de bicicleta’ e hoje estou cumprindo, aos poucos, meu sonho de garoto”, conta em conversa ao HOJE.  

Sozinho com a sua bicicleta de aro 26, Santos, que também é percursionista da banda guarulhense Forró Saruê, conhece a cada ano uma nova rota, alternando entre destinos nacionais e internacionais.

Sua última viagem dentro do país foi feita de Guarulhos até Capela, em Alagoas, sua cidade natal. Já seu último destino internacional, o mais longo já percorrido, foi feito de Guarulhos até a Argentina, passando pelo Uruguai. Santos conta que durante os percursos são feitas paradas para conhecer lugares, além dos descansos, feitos, em maioria, em lugares públicos. “Geralmente viajo 15h diariamente, alguns deles fico em praias desertas, descansando por dois ou três dias, depois sigo em frente. Sigo acampando em praias nativas, postos de combustíveis e diversos lugares públicos. Se conseguir, fico em campings para lavar as roupas, mas nunca fico em pousadas ou hotéis”, diz.

Em rota para o sul, o ciclista também seguiu de Guarulhos até o Chuí, no Rio Grande do Sul, seguindo do município para Montevidéu, no Uruguai, até Buenos Aires, na Argentina. “Eu sigo assim, um ano com o projeto das 27 capitais, no outro eu viajo os países”, diz.

Além de conhecer os destinos marcados, Santos conta também, vez ou outra, com paradas para a realização de palestras e workshops. “Alguns lugares que vou me pedem para fazer algumas palestras sobre cicloviagens para os interessados. Na minha próxima saída, no dia 03, estarei participando de uma palestra e depois dela eu sigo para a minha viagem”, disse.

Dificuldades

Apesar das experiências e vivências, o viajante conta também sobre as dificuldades com percursos e climas, além da gastronomia, que também o desagradou em alguns lugares. Segundo ele, sua maior dificuldade foi cruzar o Uruguai, em julho de 2018. “Tive que enfrentar um frio abaixo de 0°C com muita chuva e vento durante o mês inteiro. Julho lá é um mês de muito frio e eu não sabia. A comida também não me agradou, eles acabam comendo muita massa”, contou.

Outro destino onde enfrentou dificuldades foi a Bahia. “Ele é um dos maiores do Brasil e lá, ao contrário, o calor é muito forte. Eram dias de 30°C e estradas muito precárias, eu precisava andar sempre alerta para não sofrer um acidente. Nessa ida para Alagoas, cruzei o extremo sul da Bahia, na cidade de Nova Viçosa, em um braço de rio com mar por 1h30 de barco, depois precisei empurrar a bicicleta por 17 km em uma ilha com muita areia de duna, foi muito difícil, o esgotamento físico foi ao extremo, mas consegui atravessar para Alcobaça e seguir viagem para Prado”, conta. 

Próximos destinos

Planejado para o dia 03 de julho, Santos aproveita seus últimos dias em solos guarulhenses antes de partir com a sua companheira de duas rodas em destino ao Maranhão. Para a viagem, que já está completamente preparada, ele prevê um trajeto de dois meses, passando por Pernambuco, Paraíba, Ceará, Rio Grande do Norte e, por fim, Lençóis Maranhenses.

Já no próximo ano, marcado para realizar uma rota internacional, o músico pretende seguir para o Acre, descendo para Cusco, Lima, Maldonado, além dos países vizinhos ao Peru e a Bolívia.    

Nas redes sociais, para que conheçam o projeto “Vou Ali”, Santos apresenta o canal Flávio pedalando cicloviajante, onde mostra parte de seus trajetos e histórias. No Instagram, através das live Mundo Bike, fala sobre o universo do ciclismo, com participações de profissionais da saúde que incentivam a prática de esporte e da vida saudável, explicando sobre os seus benefícios.

Doação

Neste ano, Santos juntou ao seu sonho de viagem uma ação solidária, que visa levar doações a pessoas que passem por algum tipo de necessidade durante seu caminho. Desde o início, o ciclista faz, durante as viagens, doações de livros espirituais, com objetivo de auxiliar pessoas a entenderem sobre a vida. Desta vez, a intenção é juntar doações para ajudar pessoas nos diferentes estados. “Essa nova etapa eu planejo, em cada quilômetro percorrido, juntar doações em dinheiro para transformar em cestas básicas para pessoas necessitadas que realmente estão precisando e conforme for comprando os mantimentos, vou prestando conta dos valores doados, com filmagens e fotos nas minhas redes sociais”, explica.

Além das doações, quem quiser patrocinar o projeto pode entrar em contato pelo Instagram (@flaviopedalando) ou através do número (11) 99660-9404. Além disso, Santos realiza a venda de bonés personalizados do projeto para quem deseja auxiliar nas despesas de cada viagem, que também podem ser adquiridos através dos contatos citados.

- PUBLICIDADE -