Antônio Boaventura

antonio.boaventura@guarulhoshoje.com.br

Aquele que procurou a autoescola Dinâmica, localizada na região central, para realizar o sonho de obter a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), ficou, literalmente, a ver navios. Isso por que, este Centro de Formação de Condutores (CFC) fechou as portas no último dia 04 sem qualquer tipo de aviso. Alunos matriculados ouvidos pelo HOJE, gastaram em média R$ 1.600,00.

Entretanto, segundo apuração, a respectiva autoescola retornou do recesso de final de ano apenas no dia 25 do mês passado e voltou a baixar as portas três dias depois sob alegação de motivos maiores prometendo a reabertura no dia 04. Contudo, não foi o que ocorreu. Aliás, deixaram até um veículo com adesivos daquele CFC no estacionamento do imóvel que o abrigava.

Inconformados, alguns alunos prometeram registrar Boletim de Ocorrência contra os proprietários – Eduardo Gonçalves Peregil e Barbara Miranda do Nascimento, mas, até o momento, segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP – SP), apenas oito registros contra eles foram feitos no 1º Distrito Policial de Guarulhos.

A secretaria ainda afirmou que a Polícia Civil realiza a oitivas das vítimas e chamará os proprietários do estabelecimento para prestarem depoimento. A Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran) também foi notificada pela autoridade. Quatro veículos, sendo eles uma motocicleta, foram apreendidos.

“A gente que está aposentado ainda consegue segurar a renda. Mas teve muitos garotos, jovens, que é a primeira carta. Então, roubaram o sonho da gente. Viemos aqui dia 04 e encontramos vários funcionários com problemas e soubemos que tinham fugido de Guarulhos. O dinheiro a gente consegue, mas o tempo que a gente perdeu desde agosto nós não recuperamos”, disse o aposentado Elói Silva.

Além dos alunos, funcionário da autoescola também revelaram seus prejuízos. Este é o caso de Vanessa Dias, que trabalhou até 2016 e encontra dificuldades para receber sua indenização. Ela está com uma ação trabalhista em andamento.

“Eu era funcionária deles e saí de lá em 2016, tenho um processo trabalhista. Inclusive o advogado dela quem conseguiu bloquear os carros da autoescola, devido a ele não ter pago essa causa que já se encontra em mais ou menos R$ 50 mil”, concluiu.

Apesar do prejuízo causado a alunos e funcionários, tanto Bárbara quanto Eduardo não foram encontrados pelo HOJE para se pronunciar sobre o assunto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here