Câmara convoca presidente de sindicato por querer “reduzir atendimento médico”

O presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal, Eduardo Carneiro (PSB), informou que o presidente do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), Eder Gatti, foi convidado a prestar esclarecimentos sobre a tentativa de executar um movimento grevista nos postos de saúde. O Simesp afirmou que só poderá comparecer a partir de 12 de dezembro.


O sindicato anunciou, ontem, que os médicos estão em estado de greve, que entra em vigor na próxima segunda-feira. Segundo Carneiro, a decisão não pode ser considerada séria, já que “menos de 20 médicos não podem falar por mais de 700”. A Secretaria de Saúde está monitorando a situação e vai reagendar as consultas daqueles que, eventualmente, forem prejudicados.


Para Carneiro, o movimento de Gatti é político, com foco em desgastar o governo Guti. “O sindicato quer reduzir os atendimentos dos médicos a três por hora. Isso é um absurdo”, disse. O vereador citou ainda que há profissionais envolvidos no movimento grevista com produtividade de 25%. “Aqui em Guarulhos o médico tem que trabalhar as 20 horas pelas quais foi contratado. A maioria compreende isso”, comenta.

Gatti justificou que a greve não é política. O sindicato cobra a redução de três consultas agendadas por hora nas UBSs, reforço na segurança, mudança no critério de gratificação e na jornada dos especialistas, além da contratação de médicos. Ele afirmou que está à disposição da Comissão de Saúde e do prefeito Guti para debater o tema. “Queremos resolver essa questão antes da greve acontecer”, afirmou.