Santuário de Aparecida retoma missas com número limitado de devotos

Depois de 133 dias sem a presença dos fiéis em razão da pandemia do coronavírus, o Santuário Nacional de Aparecida, maior templo mariano do mundo, retomou as missas presenciais nesta terça-feira, 28, em Aparecida, interior de São Paulo. Devido às regras de distanciamento social, o público é limitado e as celebrações continuam sendo transmitidas pelos meios de comunicação da Rede Aparecida. As romarias de outubro em comemoração à padroeira seguem indefinidas.

Conforme o santuário, os devotos de Nossa Senhora Aparecida acordaram cedo para participar da primeira missa, às 6h45 da manhã.

A primeira da fila, Luciana Elache, é moradora da cidade. Os fiéis foram orientados a atender a sinalização, sentando apenas duas pessoas por banco.

O padre Luiz Cláudio, administrador ecônomo do santuário, recepcionou os devotos e comandou a celebração, ao lado do padre Eduardo Catalfo.

Ele destacou a intenção da missa aos doentes e acometidos pela covid-19. “Rezemos pelas famílias que perderam os parentes. Pelos padres, bispos e profissionais da saúde que deram suas vidas nessa pandemia.”

A missa da retomada teve a participação de apenas 100 fiéis, muito abaixo da capacidade do templo, que já chegou a reunir 35 mil devotos.

Conforme o padre Catalfo, reitor do santuário, a partir de agora, quem visita a basílica deve seguir um protocolo de segurança, definido de acordo com as autoridades sanitárias e religiosas. “Nossa perspectiva é de sempre proporcionar aos fiéis o cuidado com a saúde, seguindo as normas, não só do governo estadual e da prefeitura, mas também apresentadas pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.”

Sem ônibus

Nesse período de retomada, o santuário fica aberto de segunda a sexta-feira, das 6 horas às 18 horas, e aos sábados e domingos, das 5 horas às 20 horas. No estacionamento só é permitido o acesso de veículos com até sete lugares, já que decreto municipal impede o ingresso, na cidade, de ônibus e veículos com capacidade maior.

A entrada dos fiéis, por ordem de chegada, acontece a partir da Esplanada João Paulo II, onde é realizada a aferição da temperatura corporal e a higienização das mãos. Só entram pessoas com máscara, que deve ser utilizada durante a celebração e o período de acolhida.

As procissões que aconteciam aos sábados e domingos continuam suspensas. Fora dos horários das quatro missas diárias – cinco nos fins de semana -, não é possível ingressar na basílica, que fica fechada para higienização. Neste período, após a saída dos fiéis das celebrações, acontece a bênção dos objetos e aspersão com água benta na tribuna Papa Bento XVI.

O local possui sinalização e poderá ser usado para missas campais. O acesso ao nicho da imagem de Nossa Senhora fica aberto ao longo do dia todo. O acesso ao subsolo ficou restrito à rampa da Torre Brasília, com controle de temperatura. O fluxo é unidirecional, assim como na Sala das Promessas.

Romarias

A reabertura do santuário segue decreto publicado no dia 29 de junho pela prefeitura de Aparecida. Simultaneamente, foram reabertos hotéis e pousadas da cidade com lotação reduzida a 30% da capacidade. No dia 4 de agosto, reabrem as galerias e o centro de apoio aos romeiros.

No dia 15, tem início da abertura gradual das feiras e praça de alimentação. As celebrações de 12 de outubro, dia de Nossa Senhora Aparecida, quando grandes romarias acorrem ao santuário, ainda não estão definidas. Em todo o ano passado, o santuário recebeu 12,6 milhões de visitantes – o maior fluxo religioso do país.