Com a definição de construtora, Câmara planeja estar na nova sede em dezembro

Antônio Boaventura

[email protected]

A aquisição da Câmara Municipal em 2011 por R$ 14 milhões para abrigar as instalações do Legislativo, a conclusão das obras e adaptações do imóvel que pertencia à antiga Fábrica de Tapetes Lourdes, na Vila Augusta, ganha mais um prazo.

Nesta sexta-feira (10), o presidente Professor Jesus (sem partido) assina o contrato com a construtora VPP Engenharia Eireli para fazer as benfeitorias necessárias com expectativa de mudança para o novo local em dezembro deste ano.

Com sede na cidade de Barueri, a VPP irá receber da Câmara a quantia de R$ 12 milhões para concluir as obras na antiga Fábrica de Tapetes Lourdes. Ela superou em pouco mais de R$ 1,2 milhão a segunda colocada, a Itália (R$ 13.307.493,98). Seis empresas estavam habilitadas a participar do certame. “Acredito que em dezembro faremos a mudança definitiva para o novo endereço”, prevê o secretário de Administração Cesar Aparecido Samsoniuk.

O terreno localizado na Vila Augusta, onde funcionava a fábrica de tapetes Lourdes, foi preparado pela Proguaru, na primeira fase do empreendimento. O projeto prevê dois prédios principais de três andares, um prioritariamente legislativo e o outro, administrativo. No primeiro, a nova Casa oferecerá maior conforto para os vereadores e seus assessores.

Gabinetes vão ser mais espaços e equipados, e terão várias salas

Os gabinetes serão mais espaçosos e equipados e haverá diversas salas de reuniões. “Com isso os parlamentares poderão atender melhor os munícipes e autoridades, além dos trabalhos das comissões”, explica Barros. O edifício também deverá contar com o departamento de pessoal, a diretoria legislativa, a comunicação e a TV Câmara, entre outros.

Entretanto, a expectativa é a de que a empresa vencedora do processo licitatório possa começar os trabalhos até o próximo dia 25 deste mês. A Câmara reservou a quantia de R$ 8 milhões para a implantação de uma área exclusiva aos 34 vereadores. Com esta nova implementação no projeto, o custo total da nova estrutura pode alcançar o montante de R$ 36 milhões – estes estão distribuídos entre aquisição (R$ 14 milhões), gastos com obras (R$ 14 milhões) e a segunda fase da obra (R$ 8 milhões).

Atualmente, a Câmara Municipal dispõem anualmente de seu orçamento a quantia de R$ 3,7 milhões para custeio do aluguel dos dois prédios que abrigam suas instalações. São cerca de R$ 720 mil para pagamento do plenário e outros R$ 3 milhões para a infraestrutura que aloca os setores administrativos.