Solidariedade: Flamengo recebe colombianos acampados no aeroporto para oferecer alimentação e higienização

Colombianos abrigados no Aeroporto foram recepcionados pelo Flamengo, que ofereceu café da manhã e suas instalações para higienização deles - Crédito: Ivanildo Porto

Antônio Boaventura
[email protected]

Há quase 30 dias acampados no Terminal 2 do Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos, em Cumbica, 180 colombianos tiveram nesta quarta-feira (03) um dia diferente desde que tiveram aquele equipamento de transporte aéreo como seu novo endereço em território brasileiro. Isso por que o Flamengo, em uma ação em conjunto com ONGs da cidade, cedeu suas instalações para que os mesmos pudessem se alimentar e também fazer a higiene pessoal como tomar banho.

“De verdade, foi muito bacana! O pouco que fizemos pra quem está numa situação como a deles é bem gratificante. As crianças conseguiram correr um pouco, ganharam camisas do clube, bola, enfim. Pudemos trazer a eles alguns momentos de alegria num momento tão difícil como esse”, declarou Caio Soler, presidente do Flamengo.

Eles não conseguem retornar ao seu país de origem, por que segundo o governo colombiano, a legislação local não permite o custeio público dos translado, além de cobrar uma quantia aproximada de R$ 3 mil de cada pessoa, segundo informações obtidas pelo Hoje. Esse valor é referente ao transporte do Brasil para a Colômbia e a hospedagem de cerca de 15 dias em um hotel para que possam ficar confinados por 15 dias em função da possibilidade de contágio do Covid-19.

“[Estou] muito, mas muito agradecida. Não vamos ter como pagar. Delicioso. Tomar um banho, realmente, um banho. Poder tomar um café da manhã quente, [é] uma experiência muito boa”, disse a desempregada Monica Ramirez.

Foi realizada uma reunião entre a Prefeitura de Guarulhos, o GRU Airport, concessionária que administra o aeroporto, e o Ministério Público Federal (MPF) para solucionar este impasse quanto a volta dos vizinhos sul-americanos ao seu país de origem. Segundo apurou a reportagem, ainda não existe uma definição sobre o retorno deles à Colômbia. Os mesmos estão abrigados no aeroporto há pelo menos 30 dias.

“O amor com que vocês nos brindam dá muita segurança. Dá o refúgio que nós não encontramos neste momento. Quem nos brinda com eles, são vocês”, concluiu a desempregada Arnubia Narvaez.