Cidade: Bonsucesso, Pimentas e Vila Galvão estão entre os bairros com maior incidência de aglomerações

Vila Galvão, bairro que abriga o Lago dos Patos, está entre os dez bairros com maior incidência de aglomerações neste período de pandemia provocada pelo Covid-19 - Crédito: Divulgação

Antônio Boaventura
[email protected]

Desde a confirmação dos primeiros casos de pessoas infectadas pelo covid-19 em meados de março deste ano, Guarulhos registra, até o momento, 1.264 mortes causadas pelo vírus e outras 21.767 pessoas contaminadas pelo coronavírus. No entanto, as aglomerações são registradas pelos quatro cantos do município.

Bairros como Bonsucesso, Pimentas e Vila Galvão estão entre os que registram maior incidência de concentração de populares. Em seguida vem Centro, Ponte Grande, Cabuçu, Taboão, Jardim São João, Jardim Fortaleza e Jardim Cumbica.

Para combater esta prática, que segundo especialistas da área da saúde colaboram para a disseminação do covid-19, a Prefeitura de Guarulhos intensificou a fiscalização, através da Guarda Civil Municipal, que atende as denúncias e faz o trabalho preventivo com o propósito de evitar aglomerações. Até o dia 30 do mês anterior, a administração pública aplicou 640 autuações por desrespeito às normas de segurança e não aglomeração em estabelecimentos comerciais do município.

“Pior não é a morte, que claro, é ruim demais, e não tem retorno, mas o tamanho do sofrimento que se passa com quem sofre esse mal. Fica de bruços no hospital e muitas vezes amarrado para evitar tirar esse cano que vai goela abaixo”, declarou Renan Fernandes, agente de organização escolar.

A GCM revelou que foram registradas cerca de 760 denúncias de perturbação de sossego público de março a junho deste ano. Aglomerações podem ser denunciadas à Central de Comunicação da GCM, que funciona 24 horas, pelos números 153 e 2475-9444.

“O Lago dos Patos [Vila Galvão] é de todos e para todos. Se eles (os moradores próximos) ficarem dentro das casas deles não terão riscos com as pessoas que moram em outras regiões. Não tem um lago desses para cada bairro. Direitos iguais para todos. E já está na hora de tudo voltar ao normal”, concluiu Douglas Varella.