Avião decola de Guarulhos mas é impedido de aterrissar em Vitória (ES) por causa de vento forte

Pista do Aeroporto de Vitória — Foto: Reprodução/TV Gazeta

Devido ao forte vento de cauda, isto é, aquele que sopra na mesma direção que o avião, pelo menos dois voos foram impedidos de aterrissar no Aeroporto de Vitória na última segunda-feira (23) e tiveram que ser remarcados. Outra aeronave, que seguiria de Vitória com destino a Guarulhos, em São Paulo, não decolou.

Os voos eram operados pela Gol. Um deles, vindo de Guarulhos, decolou por volta de 9h20, com 140 passageiros. No entanto, ao chegar a Guarapari, começou a rodar em círculos. Um passageiro que estava na aeronave disse que eles ficaram rodando por cerca de meia hora até o piloto decidir voltar.

Já o outro veio do Rio de Janeiro, do Aeroporto Santos Dumont, com 125 passageiros. Ele teve que arremeter. Ou seja, já estava pousando quando teve que voltar para o Rio.

De acordo com a Gol, os incidentes ocorreram porque a pista principal do aeroporto permaneceu fechada para obras até 17h30 desta segunda. Já na outra pista na qual a empresa poderia operar, havia um vento muito forte.

A empresa explicou que disponibilizou alimentação para os passageiros e remarcou novos voos, que ocorreram no fim da tarde e à noite.

De acordo com o gerente de segurança operacional do Aeroclube do Espírito Santo, Marcus Nascif, o ideal é que o vento esteja sempre soprando na direção contrária do avião no momento da realização de pousos e decolagens.

Imagem mostra o trajeto feito em círculos pelo avião no ES em razão do forte vento — Foto: Reprodução/TV Gazeta

Imagem mostra o trajeto feito em círculos pelo avião no ES em razão do forte vento — Foto: Reprodução/TV Gazeta

Ao soprar na mesma direção do avião, o vento de cauda pode tornar esses procedimentos mais perigosos.

“Nesse caso, o avião é empurrado pelo vento. Isso pode causar uma perda de reta, o avião pode sair da pista, ou atravessar a pista”, apontou o especialista.

Segundo Nascif, na manhã desta segunda, o vento de cauda estava entre 12 e 15 nós, o equivalente a uma velocidade entre 25 e 30 quilômetros por hora.

“Existe uma proibição na aviação comercial mundial de que ventos acima de 10 nós são proibitivos em certas condições, dependendo das condições da pista (se está molhada ou não), do tamanho da pista, do tamanho da aeronave”, explicou.

Contudo, Nascif lembrou que cada empresa aérea adota seus próprios protocolos de segurança. Por isso, algumas possuem restrições para operar em função das condições do vento.