PF monitora suspeito de terrorismo há pelo menos 6 meses em Guarulhos

Reportagem: Ulisses Carvalho

[email protected]

A Polícia Federal (PF) estaria monitorando o egípcio Mohamed Ahmed Elsayed Ahmed Ibrahim, há pelo menos seis meses, segundo informações de moradores de um condomínio localizado no bairro da Vila Rio de Janeiro, onde Ibrahim mora. O egípcio é investigado por suspeita de fazer parte do grupo terrorista Al-Qaeda, sendo procurado pelo Federal Bureau of Investigation (FBI, polícia federal norte-americana).

Através das redes sociais, o FBI divulgou uma mensagem alegando que o suspeito é procurado para interrogatório sobre uma suposta atuação como ‘agente facilitador de ataques contra os Estados Unidos’. A reportagem conversou com dois moradores do condomínio onde o suspeito mora, que pediram para não ser identificados e alegaram que o egípcio já morava no local há oito meses.

“Ele não sabe falar português,  e eu me comunicava com ele inglês. Há seis meses a PF sempre comparecia ao condomínio, porém, nunca deram detalhes para os moradores sobre essa investigação”, destacou o morador. O egípcio chegou ao país no ano passado e atualmente tem uma pequena loja de camas e colchões na avenida Salgado Filho.

O HOJE entrou em contato com a PF, para saber quando Ibrahim deverá prestar depoimento na delegacia no Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos, em Cumbica e sobre a questão do monitoramento ao suspeito, porém, a polícia informou por telefone não ter nenhuma informação sobre o caso, pedindo para a reportagem contatar o Ministério de Relações Exteriores. Em nota, o ministério apenas informou que a pergunta deveria ser direcionada para a PF, não se manifestando sobre o assunto.

“A última vez que eu o vi foi na sexta-feira (9). Ele não tem nenhum tipo de perfil de um criminoso, é extremamente tranquilo e educado, e me falou que era de um partido político de oposição no Egito, porém, teve que vir ao Brasil fugindo da perseguição do atual governo”, destacou o morador, alegando que Ibrahim estaria morando ao lado da mulher no condomínio.

Foto: Reprodução