Prefeitura empossa o Conselho Municipal de Políticas para Mulheres

Fotos: Fábio Nunes Teixeira/PMG

Vinte conselheiras foram empossadas na manhã desta segunda-feira (6) no Conselho Municipal de Políticas para Mulheres, em cerimônia realizada no auditório do Paço Municipal de Guarulhos. Elas são representantes do poder público e da sociedade civil e se unem agora para trabalharem juntas no próximo biênio, integrando um órgão consultivo, propositivo e fiscalizador das ações em prol do bem-estar das mulheres guarulhenses.

Representando o prefeito Guti, o vice-prefeito Professor Jesus disse que o conselho é um instrumento essencial no processo de criação das políticas públicas e na assistência às mulheres do município e a soma das forças da sociedade com o governo gera bons frutos. “Vamos planejar juntos e executar projetos para o enfrentamento da violência contra mulher, para o desenvolvimento econômico, que é mais um passo para a independência feminina, e também projetos políticos e sociais, para que as mulheres estejam cada vez mais integradas na sociedade e participem das discussões que são pertinentes a todos”, afirmou. 

O secretário de Direitos Humanos, Abdo Mazloum, também ressaltou a importância do papel do conselho para a ampliação do atendimento às que mais necessitam e garantir maior respeito à mulher em todos os níveis da sociedade. Por sua vez, a subsecretária de Políticas para Mulheres, Verinha Souza, lembrou das dificuldades geradas pela pandemia no atendimento e amparo às mulheres vitimadas pela violência, mas ressaltou que o trabalho não parou em momento nenhum, nem na subsecretaria e nem nas reuniões do conselho. Ela também enfatizou o trabalho a ser desenvolvido pelo conselho. “Aqui é um novo ciclo que iniciamos com novas entidades da sociedade civil, trazendo mais pessoas para essa batalha que travamos diariamente. Temos muito trabalho pela frente, mas com estratégia e comprometimento iremos caminhar juntas”, finalizou.

Conselho

O conselho é composto por representantes das subsecretarias de Políticas para Mulheres, Igualdade Racial e Juventude, do Fundo Social de Solidariedade, das secretarias de Segurança Pública, Desenvolvimento e Assistência Social, Educação, Saúde e Trabalho.

Já entre as representantes da sociedade civil estão o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Guarulhos e região, a Central Única dos Trabalhadores-subsede Guarulhos (CUT-SP), a Comunidade de Apoio ao Social do Jardim Palmira (Casp), a Associação dos Moradores do Inocoop (AMI), a Associação Brasileira de Defesa da Mulher, Infância e Juventude (Asbrad), o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Guarulhos e Arujá, o Centro de Inclusão e Apoio ao Autista de Guarulhos (Ciaag), a Associação Esportiva e Cultural de Capoeira “Rosa Baiana”, a subseção Guarulhos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Associação Comercial e Empresarial de Guarulhos (ACE). 

Dalila Figueiredo, representante da Asbrad, afirma que a existência e os trabalhos do conselho são muito importantes para a cidade. “É necessário um coletivo que seja capaz de discutir ações que dizem respeito à saúde da mulher e ao acesso a creches, além de uma série de questões que são inerentes à família como um todo, mas em especial à mulher. Com cada passo de uma vez vamos atingir o objetivo”, disse.